Image Map

03/04/2010

Christiane Torloni diz como superou a morte do filho



Em “Chico Xavier”, o filme que conta a história do médium mais famoso do Brasil, em cartaz desde ontem nos cinemas do país, a atriz Christiane Torloni vive Glória, uma mãe que perdeu o filho, assassinado acidentalmente por um amigo. Infelizmente, Christiane conhece bem essa dor, e não só da ficção. Seu filho Guilherme morreu aos 12 anos, em um acidente com o carro que a própria Christiane dirigia. Hoje, quase 20 anos depois, ela se firmou como uma das atrizes de maior destaque da televisão brasileira. Mas diz que chegou a pensar em desistir da carreira enquanto enfrentava os primeiros momentos do luto. Se meu instrumento de trabalho é o coração, como eu iria trabalhar com o coração despedaçado?”. Mas como é possível se recuperar de uma tragédia dessas? “Você tem de aprender a viver de novo sem um pedaço de você”, diz Christiane, que empresta a própria garra a seus personagens, sempre marcados pela persistência e pela força. Reservada, Christiane raramente fala sobre a perda do filho. Mas aceitou contar ao Mulher 7×7 , de sua casa, no Rio de Janeiro, sua história de superação.

Após a morte do filho, em 1991, Christiane e Leonardo, irmão gêmeo de Guilherme, fecharam-se em um auto-exílio em Portugal. O país despertara a curiosidade de Guilherme alguns meses antes do acidente, quando a mãe fora divulgar a novela Kananga do Japão. Com a morte de Guilherme, Christiane sentiu que lá era o lugar em que deveria “aprender a viver sem um pedaço”. Nos três anos em que passou além-mar, dedicou-se ao teatro em Portugal e veio ao Brasil para gravar a minissérie “Noivas de Copacabana”. Quando decidiu voltar definitivamente ao Brasil, aceitou um papel que era, no mínimo, um desafio: viver a Dinah, de “A Viagem”. A novela de Janete Clair, baseada no espiritismo, conta a história de um casal que morre e volta a se encontrar em outro plano. Se eu não estivesse recuperada, não teria conseguido fazer a novela. Mas a dor de perder um filho não passa nunca. Já faz muito tempo e a única coisa que mudou foi a minha capacidade de lidar com a dor.”


E como é que se faz isso? “Você quer que eu lhe dê uma bula! Isso não existe”, diz Christiane com a voz firme, aquela que eu conheço de suas personagens cheias de determinação das novelas. Mas, quando sua memória parece tocar aqueles primeiros dias de coração despedaçado, como ela diz, sua voz se abranda. Tem o tom de resignação que só alguém que mergulhou em sua própria dor pode ter. “É preciso ser humano”, diz. “Ter paciência com o tempo, com você, com a dor. Isso é ser humano. Mas as pessoas não se dão mais esse direito.” Leia a entrevista na íntegra a seguir.


Mulher 7×7 – Perder um filho é uma das piores dores que um ser humano pode enfrentar. Como você conseguiu se refazer dessa tragédia?
Christiane Torloni – Uma mãe que perde um filho ficará para sempre de luto. Não existe ex-mãe. Vai fazer 20 anos que o Guilherme morreu. É muito tempo. Mas a única coisa que mudou foi a minha capacidade de lidar com a dor. Você precisa continuar vivendo, dia após a dia, lutar para vencer um de cada vez. É a mesma filosofia dos Alcoólicos Anônimos: “só por hoje”.


Muitas pessoas que perderam um ente querido dizem se sentir um peso para os amigos e para a família porque não podem mais falar sobre o assunto para não chatear ninguém. Você sentiu isso?

Existe muito essa cultura do “vamos lá, vamos para frente”. Mas é preciso respeitar essa pessoa porque ela está em dor. Chega a ser uma dor física. Precisamos ter paciência com a avalanche de emoções que se seguirão para se adaptar a um coração que nunca mais vai ser o mesmo. E o ser humano tem passado por cima dessa necessidade de se recolher, não quer ficar triste. Mas é dessa dor que vai vir a força para superar. Não se aprende só na alegria, mas também com a dor. Nesse momento, temos de ser humanos: ter paciência com o tempo, com você, com a dor. Isso é ser humano. Mas as pessoas não se dão mais esse direito.

E você conseguiu se dar esse direito?
Eu saí do Brasil, mudei para Portugal com o meu filho Leonardo. Entrei em uma viagem profunda, me respeitei. Fiz aquilo que os antigos faziam: encarei dar tempo ao tal do tempo. Ele é um remédio quando a gente tem paciência. Isso foi me dando força a voltar a trabalhar. Enquanto eu ainda morava em Portugal, voltei para fazer uma participação na minissérie “Noivas de Copacabana”, mas não foi legal. Eu ainda não estava bem. Estava em dúvida se continuaria sendo atriz. Se meu instrumento de trabalho é o coração, como eu iria trabalhar com o coração despedaçado?



Como você decidiu seguir com a carreira?
Algumas pessoas que aparecem nas nossas vidas são como anjos. O Boni (José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, então um dos diretores da TV Globo) ficava me monitorando para saber se estava tudo bem, quando eu gostaria de voltar. A TV Globo me mandava cartas de pessoas que me escreviam e que tinham passado pela mesma experiência. Recebi até cartas psicografadas dizendo para eu não desistir. Eu fui para Portugal para ficar sozinha, mas, no fundo, eu não estava sozinha. Uma rede amorosa se formou em volta de mim. Quando Wolf Maia me convidou para participar de “A Viagem”, eu decidi aceitar antes de saber sobre o que era. Fazer a novela foi muito difícil, mas eu consegui porque havia transformado aquela dor.

Qual conselho você dá para uma pessoa que está passando por esse momento agora?
O melhor conselho é continuar vivendo. Tenha calma e vá sobrevivendo. Essa entrevista, por exemplo, não é para me promover. É porque ela pode ser útil para alguém, pode ajudar alguém. É por isso que eu também aceitei fazer o filme sobre o Chico Xavier.


Fonte : Blog mulher 7x7


02/04/2010

Christiane Torloni já encenou a Paixão de Cristo ...




Aproveitando essa data tão importante para os Cristãos que é a Páscoa , lembramos que Christiane Torloni teve a oportunidade de encenar por duas vezes a história da Paixão de Cristo de Nova Jerusalém , em Pernambuco . A primeira vez foi no ano de 1998, em que ela fez a Salomé ,a sobrinha do rei Herodes e na segunda vez , interpretou Maria, a mãe de Jesus . Nas duas vezes Christiane diz ter se emocionado muito.


A história de Cristo se perpetua pelos séculos , porque é uma história de amor, de vida , de fé e de esperança. Em momentos de tanta violência, desamor e intolerância, que a Páscoa seja um momento de reflexão para que a humanidade renasça em Cristo e invista no amor, na fraternidade , na paz e na solidariedade.

Que nessa Páscoa, nossa fé seja revigorada pela certeza que Cristo ressuscitou e está entre nós !

Feliz Páscoa para Todos !
São os votos carinhosos do grupo Torloni Star


Assista o vídeo com fotos de Christiane Torloni no espetáculo Paixão de Cristo, que ela fez ao lado do ator Vladimir Britcha, em 2004.






Em tempo ....


Matéria de Christiane Torloni na Paixão de Cristo , em Nova Jerusalém - 2004







==> Matéria enviada por Juh Farias

01/04/2010

Christiane Torloni no livro Chico Xavier , a história do filme!



" A primeira leitura foi devastadora"
( Christiane Torloni)




" Eu não poderia recusar este papel "
( Christiane Torloni)






"Christiane teve a delicadeza com a gente : deixar aparecer a dor" .
( Daniel Fillho)




" Fé para mim é um rochedo,um escudo e um refúgio ".
( Christiane Torloni )



Matéria enviada Por Dora Paes.

Fonte : Souto Maior, Marcel . Chico Xavier: a história do filme de Daniel Filho. São Paulo: Leya, 2010, p. 26-31.



Outra parte do livro ....






" Acredito na fé sem dogmas, sem qualquer tipo de comando ou poder por trás "
(Tony Ramos )




Matéria enviada Por Juh Farias

Fonte : Souto Maior, Marcel . Chico Xavier: a história do filme de Daniel Filho. São Paulo: Leya, 2010, p. 73, 186 e 187.

Encontro de Fã: Tatiana Martins x Christiane Torloni


ENCONTRO DE FÃ !


Estamos muito felizes , porque mais uma fã de Christiane Torloni conseguiu realizar o seu sonho de conhecer a atriz . O encontro aconteceu em São Paulo, no final da peça a Loba de Ray-ban.
Veja o depoimento da sortuda da vez, o nome dela é Tatiana Martins.



Depoimento:

Como posso explicar com palavras o que senti ao lado da pessoa que eu mais admiro e amo no mundo?Bom ,palavra nenhuma transmite o que eu senti ao lado da Diva!
Imaginei de várias formas esse encontro, mas nunca soube como seria minha reação ao lado dela, poderia ficar nervosa, e mesmo sem ela gostar eu não conseguiria controlar a emoção e começaria a chorar, mas nada disso aconteceu... ela estava tão calma ,tão tranquila ,que me transmitiu o seu estado de espírito, e eu não fiquei nervosa e estava tão feliz que nem me passou pela cabeça chorar!
O pouco tempo que eu passei com ela, foi um dos melhores momentos da minha vida, sem dúvida nenhuma.
Saí de lá com um ar de dever comprido, e sentindo que aquele momento indescritível se repetiria por muitas e muitas vezes (espero!).

CHRIS TE AMO!(mas do que nunca)

Tatiane Martins

Christiane Torloni na despedida de Aécio Neves do governo de Minas Gerais



Aécio Neves (PSDB) deixou nesta quarta-feira o governo de Minas. A transmissão do cargo a Antônio Anastasia ocorreu com pompa, em meio a cerca de cinco mil convidados. Políticos, empresários, industriais e celebridades como Zico, as atrizes Christiane Torloni e Maitê Proença, o cartunista Ziraldo, o apresentador Luciano Huck e os músicos Renato Teixeira e Alceu Valença lotaram os jardins do Palácio da Liberdade para a cerimônia. Uma multidão acompanhava por telões o evento.

30/03/2010

A LOBA DE RAY-BAN DIA 28/03/2010


Pois é galerinha a temporada da peça A Loba de Rayban em Sampa terminou mas aconteceram tantas coisas maravilhosas durante esta temporanda,melhor,durante estes 4 meses de Loba.
Foram encontros,risos,choros e momentos que guardaremos para sempre em nossa memória e em nossos corações.
O último dia foi eletrizante.
Os atores estavam magnificamente perfeitos no palco e Chrizinha como sempre arrancando risos e momentos de emoção da platéia.

No final da peça Bia entregou um buquê para Chris que acho que todos perceberam,segurou as lágrimas.Foi emocionante.

No final da peça todos se abraçaram,algumas meninas choraram.Foi mesmo único. Depois todos ficaram esperando a Chris sair.

O Léo saiu com uma taça na mão e foi muito atencioso com todos,tirou fotos,conversou com a galera...
A Maria também foi um amor.
Por fim a Chrisinha saiu e foi aquele alvoroço.Todo mundo querendo tirar fotos,autógrafos.
Aía Chris falou: Lobetes?Vamos organizar a galera aqui,kkkkkk
Elzinha ficou louca coitada , mas por fim e juntamente com a Elzinha conseguimos organizar.

Palavras finais de Christiane: Cuidem-se,sejam boas filhas,boas brasileiras,continuem abraçando a amazônia e fazendo o que vcs estão fazendo que já, já a gente tá seguindo de novo.

É isso aí galera ! Um pequeno resumo do que foi o último dia da nossa Loba em Sampa.

VEJA AlGUMAS FOTOS


















































Entrevista com Christiane Torloni - Revista Cristã de Espiritismo

Entrevista com Christiane Torloni - Marcos Bernstein, o roteirista

Christiane Torloni, a Glória


Como é sua personagem?

A Glória é uma personagem difícil, pois ela narra o ápice de uma dor. Um personagem que não dá descanso. Esta história toda de uma família estar envolvida com outra e um assassinato acontece desagrega toda a amizade entre as duas famílias. Se perde. A passagem da Glória e do Orlando ao longo do filme é um clímax de uma dor.


Qual é a importância do Chico Xavier para o Brasil?

O Chico transcende as fronteiras da matéria. Ele é importante para as pessoas que nem sabem quem é ele. A sua palavra já tocou tantas pessoas... Eu tive a oportunidade de, em 1994, fazer um trabalho inspirado na Doutrina Espírita (a novela A Viagem). Na época existiam 7 milhões de espíritas inscritos. Hoje, todos os espiritualistas se sentem comovidos com a fala do Chico. É de uma bondade, um consolo. Quando vimos novamente A Viagem, pudemos perceber o tamanho consolo, tamanha palavra. O sentido de um trabalho como este é confortar as pessoas. Ela dá a certeza desta falta de permanência e de que a morte não é o fim, isso é interessante, pois você vê isso no catolicismo. A vida parece uma gincana em que você diz: “Caramba, quando é que se respira?” Tem momentos em que a arte é esta respiração.


Daniel Filho diz que é um ateu convicto, mas está dirigindo um filme sobre um mito do espiritismo...

Acho isto ótimo para o filme, pois assim ele mostra mais neutralidade. Não cai na armadilha da fé. Allan Kardec não caía nesta de espiritismo, ele dizia que era besteira, mas nós vimos no que deu. Este filme vai dar certo por isso, acho que ele olha com distanciamento, que ajuda. O importante não é tocar quem acredita, mas sim levar a mensagem a quem não conhece. Chico era um homem que tinha uma alma tão sensível que é difícil não comover. As pessoas que não acreditam em nada parecem estar atrás do muro. Não sei se o Daniel é assim com todo mundo, mas às vezes parece que ele depôs as armas dele.


Como foram as cenas com a Cássia Kiss?

Eu acho que mais do que uma briga, tem um encontro lindo. A cena do tribunal é muito forte e começa pelo fim. Começar o filme pelo fim é complicado. O Daniel entendeu que, mais do que uma briga, são duas mães se consolando. Na cena do tribunal as duas estão se consolando, pois, por mais que o menino fosse condenado, um deles estava vivo. Existe um abismo intransponível entre a vida e a morte. A Elis cantava uma canção em que ela dizia que o amor é meio ermo, mas a morte não. Este é o sentido de uma mãe consolando a outra. Se o filho está mais ou menos preso a gente vê, mas ele não pode estar mais ou menos morto.

Qual é a sua filosofia religiosa?

Acredito em Deus sobre todas as coisas. A fé, para mim, é um rochedo, um escudo e um refúgio. Não importa o nome que isso tenha, ao longo da vida as pessoas vão buscando. A gente precisa de muitos elementos, muitas alegorias de coisas externas para conectar o que há dentro. É como se precisássemos de um relógio para saber que o tempo passa. Há pessoas que têm esta observação de uma maneira natural, tem outras que não, que têm de superar várias barreiras internas. Fui criada dentro do catolicismo, logo fui percebendo que a palavra de Cristo é incrível. Tomaria muito chope com ele na vida. Ele era um guerreiro. Ele queria que tudo melhorasse. Percebo que a palavra do Buda e de Jesus tem muitas correlações.

Enviado por Dora paes


Fonte : Revista Cristã de Espiritismo

Christiane Torloni vai ao lançamento de 'Chico Xavier', no Rio



Christiane Torloni e os atores , Angelo Antônio e Giulia Gam participaram do lançamento do longa "Chico Xavier", na noite desta segunda-feira, 29, no shopping Downtown, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio. Antes de seguir para o cinema, os atores se reuniram em um restaurante próximo.


Christiane Torloni, que não conheceu o Chico, afirma que é uma espiritualista. "Não vi o filme ainda, vou ver pela primeira vez hoje. É um filme que fala do bem", comentou a atriz, que disse, ainda, que a equipe esteve protegida o tempo todo nos sets de filmagem.

Mais fotos de Christiane Torloni na pré-estreia ...

Mais de 2 mil pessoas assistiram à pré-estreia de 'Chico Xavier' no Rio de Janeiro, assim como parte do elenco, que inclui Christiane Torloni, Ângelo Antônio, Nelson Xavier, Cássia Kiss, Giovanna Antonelli, entre outros.




O diretor e marido de Christiane Torloni também acompanhou a atriz e marcou presença na pré-estreia do filme .

Christiane Torloni elogiou bastante o longa de Daniel Filho.

“O cinema se inspira nos espíritos e esse é um filme que veio para trazer muitas coisas boas para as pessoas. O Daniel Filho é um diretor fantástico, somos amigos há três décadas e estou orgulhosa por esse momento”, destacou.


Fonte : Ego, SRZD, Fuxico, Contigo, Quem, Caras


Em tempo ....

Christiane comemora encerramento da peça A Loba de Ray-ban em São Paulo, no Paris 6, ao lado de José Possi.

Ignácio Coqueiro, marido da atriz, também estava por lá.

Fonte: Twitter Paris6

28/03/2010

Christiane Torloni como Glória: Atriz reviveu dor na vida real


Christiane Torloni como Glória: a atriz reviveu a dor de ter perdido um de seus filhos gêmeos na vida real

Quando o telefone tocou na casa de Christiane Torloni, convidando para a leitura do roteiro do próximo filme de Daniel Filho, ela topou na hora. Sentada ao lado de Tony Ramos na mesa da produtora do diretor, ela seria a voz da personagem Glória. Não sabia nada além disso. Quando Nelson Xavier começou a leitura na voz mansa de Chico, a história foi se construindo. Tony Ramos era um diretor de televisão que conduzia a transmissão ao vivo de uma entrevista com Chico Xavier. Glória, chorosa, observava na plateia as respostas do médium mineiro. Com o avançar da leitura, a trama ficou clara. Os personagens de Tony e Christiane eram casados e tinham perdido o único filho. Ele negava os sentimentos, ela buscava consolo.



Quando percebeu isso, a atriz interrompeu a leitura e desabou num choro incontrolável. Afinal, Christiane perdeu um dos seus filhos gêmeos num terrível acidente, 18 anos atrás, quando ela tirava o carro da garagem. Padrinho do menino, Daniel Filho ficou mortificado. Pediu desculpas e disse que pensou em ajudá-la a superar aquela dor há tempos abafada. Quando sugeriu que escolhesse outro papel, Christiane negou. “Não, Daniel, quero fazer. Não posso recusar esse papel”, disse ao compadre. O que se vê na tela, portanto, é uma mulher machucada, que teve a coragem de emprestar sua própria dor para o personagem, cujo ápice do sofrimento se revela em gestos simples, como o alisar carinhoso da cama do filho ausente.


Assista as cenas de Christiane Torloni em Chico Xavier.



Marco Antonio de Biaggi sobre Christiane Torloni ....




Diva , deusa ,que talento! Que corpo! Que rosto! Sou seu maior fã.



Eu e a deusa Chris Torloni,mow!

Fonte : Twitter de MBiaggi