Image Map

15/05/2013

Christiane Torloni fala da relação ator/diretor em visita à Escola de Cinema

Todo diretor deveria atuar ao menos uma vez na vida para se sentir na pele do ator.  Este precisa confiar no diretor, pois esta é uma parceria sutil: ambos têm que sentir e ver o filme que estão fazendo da mesma forma. Se o diretor ouve o ator, ele poderá descobrir dados importantes da história que pretende contar.



Estes foram alguns dos pontos abordados pela atriz Christiane Torloni em sua visita à Escola de Cinema Darcy Ribeiro, para participar de uma aula de Direção: Cinema e Tevê, do curso Regular de Direção Cinematográfica. Amiga do professor Aluízio Abranches, ela contou os segredos de seus mais de 30 anos de sucesso nos palcos, nas telas de cinema e televisão. Foram também exibidos trechos de quatro filmes dela: Chico Xavier (2010), Eu (1987), Besame Mucho (1987) e Perfume de Gardênia (1993). “São filmes de épocas e diretores bem diferentes, para os alunos terem também contato com a diversidade do cinema brasileiro nos últimos 30 anos”, explicou Abranches.


Generosa, Christiane ensinou o caminho das pedras para os futuros cineastas.  “Seja no teatro ou nas telas, tudo é a imagem que será fixada na foto que chega ao coração da plateia. Mas antes que isso aconteça, o ator tem que se emocionar”, disse ela logo de início, depois de contar um pouco de sua história. Filha da atriz Monah Delacy (da primeira turma formada pela Escola de Comunicação e Artes da USP) e do diretor Geraldo Mateus, fundadores do Teatro de Arena, ela viveu sempre em cena ou nas coxias e sets de gravação. Estreou aos 12 anos no Teatrinho Trol, da extinta TV Tupi e seu primeiro grande papel foi na novela Baila Comigo, como filha da primeira Helena criada por Manuel Carlos. Daí em diante quase sempre foi protagonista nos filmes, novelas, séries e peças de que participou.

“Cinema é mais difícil porque não segue uma ordem cronológica o que dificulta manter a continuidade emocional. Por isso, todos que participam de um filme precisam estar preparados antes de começar a rodar. O difícil é transformar o texto em energia, fazer o texto virar gente”, filosofou a atriz. “E o diretor é a rede quando o ator se joga em cena. Por isso, ele deve ter olho para o ator, o ator precisa saber que o diretor presta atenção nele. Às vezes, no cinema, o seu movimento é mais importante que sua fala e aí o ator precisa saber quando isso acontece.”


Aluízio Abranches é também diretor de cinema e tem por costume trazer profissionais de outras áreas do audiovisual para dar palestras a seus alunos. Já estiveram com eles a atriz Júlia Lemmertz e o diretor de fotografia Ueli Steiger (Godzilla, 1998; Austin Powers, 1999; O Dia depois de Amanhã, 2004, e Nosso Lar, 2010, entre outros). “Christiane é muito articulada e inteligente e este tipo de atividade, que foge um pouco do currículo acadêmico, é uma oportunidade única para o futuro diretor ter contato com quem fazendo cinema. É tão importante quanto falar de plano e contraplano”, comentou o professor.

Fonte: Escola de Cinema Darcy Ribeiro
Fotos: Rodrigo Jesus

Nenhum comentário: