Image Map

30/11/2009

Christiane Torloni tem aura típica das divas das artes cênicas - Por Miguel Arcanjo


Christiane Torloni é o tipo de atriz que mostra a que veio desde o primeiro minuto. Elegante por si só, tem aquela aura típica das divas das artes cênicas. Tal qualidade é percebida pelo espectador assim que adentra o teatro do shopping Frei Caneca, em São Paulo, onde ela está em cartaz com a peça A Loba de Ray-Ban, uma versão feminina do texto original de Renato Borghi já apresentado em 1987.

Na montagem dirigida por José Possi Neto, Christiane é Júlia, uma atriz de sucesso e dona de sua própria companhia. Apesar do êxito profissional, ela padece da solidão e busca incessantemente o amor – e também a própria juventude – em atores mais jovens que passam a trabalhar com ela.

Primeiro, ela se apaixona por Paulo Prado, um ator de 27 anos interpretado por Leonardo Franco, com ela quem fica casada por dez anos. Depois, é a vez de Fernanda Porto, uma atriz de 25 anos vivida por Maria Maya, chegar à companhia e arrebatar o coração de Júlia. Contudo, os dois a abandonam, provocando nela um rebuliço de loucura.

Como na Quadrilha de Drummond, na versão de 1987, Raul Cortez fazia o papel que hoje é de Christiane, ela fazia o que atualmente é de Leonardo e Leonardo fazia o papel que hoje cabe a Maria, que ainda era criança na primeira montagem.

E é na loucura que Christiane mostra seu talento lapidado desde a infância, passada nos palcos junto a seus pais. Apesar do humor do texto e de algumas situações de loucura extrema, a peça não deixa de ser um drama em que o público é posto a pensar na efemeridade e verdade das relações e amores dessa vida na qual a juventude se esvai tão cedo. Além da força inconteste de Christiane, Maria Maya também demonstra maturidade com sua Fernanda e Leonardo Franco colore com as matizes certas os distúrbios forjados de seu tão louco quanto Paulo.

Fonte : Teatro e TV

====> Enviado por Dora Paes

Nenhum comentário: