Image Map

12/07/2009

Christiane Torloni fala sobre a família e a carreira - 1987



====== DESTAQUES ======

Minha relação com ele [ o pai] era uma coisa muito legal , muito aberta. Ele sempre se mantinha a uma certa distância: ‘ deixa que a vida é dela e ela vai saber o que deve fazer’. A única vez que meu pai tentou interferir na minha vida foi quando eu decidi ser atriz. Ele disse : ‘Não , pelo amor de Deus !’


“ Eu não lembro do lado repressor da minha mãe . Nós sempre conversávamos muito. Quando eu era criança e surgia algum problema ela me dizia : ‘ Vamos tomar um chá’.Eu achava chiquérrimo.


“ Hoje eu sou uma atriz muito menos preocupada com a forma do que com o conteúdo. Minha maquilagem na novela sou eu quem faço. Quando resolvi cortar o cabelo as pessoas fizeram maior onda : você tirou a sua marca registrada!, diziam. Ora, quem tem rótulo é vidro de remédio. Eu não preciso de cabelo comprido e de uma roupa de Gregório Faganello para provar que sou atriz”.


“ Se não me emociona não dá. Pode até ser um papel legal para minha carreira, mas se não me emociona, não dá para mentir , não dá para compor. Ás vezes eu penso nisso: sou movida pela vontade da minha emoção.”


“ Quando terminou 84, havia um descompasso , um problema entre personalidade e atriz. Parei dois anos de dar entrevistas. Estava de saco cheio porque as pessoas só estavam interessadas em saber se eu estava casando ou desquitando. Hoje eu sinto mais prazer em falar da minha carreira porque me sinto mais legitimada. Minha pessoa está muito protegida e agora está como deveria estar.”


“ Houve uma época que vivia rodeada de certezas. Foi logo depois da adolescência . Eu era muito planfetária e vivia cagando regras. Depois , resolvi esquecer os livros que li. A verdade tem o poder de fazer você ficar burro ...Mas não há maior juiz do que a vida, de mãos dadas com o tempo. E você descobre a lei da relatividade. O que você pensava que era verdade, não era . Estou com 30 anos, de braços dados com Balzac: a gente não está na vida para ficar impune .”


“ Essa estória de estrela é muito engraçada. Parece sempre que estou falando de uma outra pessoa. Eu levo uma vida comum, meus prazeres são tão simples, gosto do meu cachorro, dos meus filhos, da minha cozinheira que é hilária. Não sei o que é ser estrela. Pra mim ser estrela é saber capitalizar essa coisa de sucesso para colocar a serviço da comunidade.”



LEIA A MATÉRIA COMPLETA !




======= > Matéria enviada por Dora Paes, Revista Desfile , 1987

Nenhum comentário: